Casamentos

Orientações para a celebração do Matrimónio nas igrejas da paróquia 

Doc. em PDF

A Paróquia da Azoia está disponível para acolher quem, por razões pastorais ou pessoais, deseje celebrar aqui o seu Matrimónio. No entanto, devemos advertir que a celebração do Matrimónio deve ser realizada, sempre que possível, na paróquia de residência ou onde os noivos mantêm algum vínculo à comunidade cristã.

Desejando celebrar o seu Matrimónio na Paróquia da Azoia, os noivos devem observar as indicações que se seguem:

1.       Agendamento

Paroquianos – residentes na Azoia ou com vínculo à comunidade cristã da Azoia – devem agendar o seu casamento até 15 de Setembro do ano anterior à data do casamento para garantirem a disponibilidade da igreja.

Não paroquianos – sem vínculos à comunidade cristã da Azoia, pretendem casar numa das igrejas da paróquia por motivos pessoais – podem fazer o pré-agendamento para a data pretendida, que apenas será confirmada depois do dia 15 de setembro.

Em qualquer caso, o agendamento está sempre condicionado à agenda das actividades paroquiais.

 

2.       Celebrante

Paroquianos. O pároco da Azoia assume a responsabilidade da celebração dos casamentos dos seus paroquianos. Os noivos têm liberdade para sugerir outro sacerdote ou diácono.

Não paroquianos. O pároco da Azoia apenas assume a responsabilidade da celebração dos casamentos de não paroquianos de acordo com a sua disponibilidade e disponibilidade da paróquia. Em caso de indisponibilidade do pároco da Azoia, os noivos devem indicar um outro padre ou diácono celebrante.

 

3.      Procedimentos

Ao definir a data do casamento, os noivos, além de confirmar a disponibilidade da igreja onde pretendem que seja a celebração, devem contactar a paróquia onde residem para agendar os procedimentos para o processo canónico e preparação pastoral/espiritual.

Concluído o processo canónico e o processo civil, os noivos devem entregar na Paróquia da Azoia as certidões emitidas pela diocese/paróquia de residência e pelo registo civil. Devem ainda indicar o nome, morada, nº e validade do cartão de cidadão de duas testemunhas. Os noivos devem informar o pároco da Azoia se desejam adoptar mutuamente algum apelido.

 

4.       Custos

Paroquianos. A Paróquia da Azoia solicita aos paroquianos apenas o pagamento dos custos com os procedimentos processuais (quando se aplica). Aos paroquianos da Azoia não é exigido qualquer valor pela celebração em qualquer igreja da paróquia (é habitual dar um contributo livre).

Não paroquianos. A Paróquia da Azoia solicita aos noivos não paroquianos o contributo de 100€ pela celebração do casamento nas igrejas da paróquia (Igreja Paroquial da Azoia, Igreja de Alcogulhe e Igreja do Vale do Horto) (50€ para a paróquia e 50€ para a respectiva igreja). A este valor acrescem 20€ para os procedimentos processuais (redacção da acta, redacção de duplicado da acta, envio de notificação ao registo civil, registo da notificação de averbamento do registo civil, envio de notificação à paróquia de baptismo do noivo, envio de notificação à paróquia de baptismo da noiva).

 

A paróquia da Azoia assume a presença de alguém para acolher e cuidar na igreja de todos os preparativos necessários para a realização da celebração (abertura de portas, iluminação, som, missal, leccionário, alfaias litúrgicas, recolha das assinaturas…).

 

5.       Preparação humana e espiritual

A paróquia de residência ou de organização do processo canónico, propõe aos noivos a devida preparação humana e espiritual para o Matrimónio.

 

6.       Preparação da celebração

a)       Os noivos devem preparar a celebração com o sacerdote ou diácono que irá presidir (se haverá celebração da Eucaristia, leituras e respectivos leitores, rito do Matrimónio, celebração da confissão…).

b)      Os noivos devem prever cânticos adequados á celebração junto de cantores devidamente aptos, técnica, litúrgica e espiritualmente para cantar em celebrações litúrgicas.

c)       A ornamentação dos altares pode ser feita por alguma florista em coordenação com a pessoa responsável da paróquia por esse sector, cujo contacto será facultado. Os arranjos florais dos altares devem permanecer na igreja após o casamento, podendo retirar-se apenas alguma ornamentação específica do casamento (adereços, flores nos bancos ou à entrada, panos, velas...). Se colocarem ornamentação nos bancos é expressamente proibida a fixação com cola, alfinetes, pioneses ou qualquer coisa que deixe marca.

d)      Apelamos a que se evite o lançamento de arroz sobre os noivos no final da celebração (pensemos em tantas famílias que não têm um punhado de arroz para se alimentarem).